logo aprende brasil carregando

Blog

  • Compartilhe:
Notícias
11 de outubro de 2018

3 dicas para ensinar as crianças a respeitar as diferenças em sala de aula

Formar cidadãos mais tolerantes, empáticos e sem preconceitos, capazes de viver em sociedade é uma das tarefas de quem se compromete com a educação atual. Além disso, é na escola que as crianças passam a maior parte do tempo e, sendo assim, trabalhar o respeito às diferenças em sala de aula é essencial. Para fazer isso, antes de tudo, é necessário sempre manter o diálogo e estimular a reflexão, pois é importante que as crianças tenham espaço para compartilhar seus pontos de vista, fazer perguntas e ouvir opiniões diversas. Afinal, para que elas ajudem a promover a inclusão e a construir um mundo melhor, é preciso que cresçam expostas a realidades diferentes das suas, sabendo que as pessoas não são todas iguais, mas que todas merecem ser respeitadas da mesma forma. Pensando em ajudar nessa tarefa que não é tão simples, mas é fundamental, preparamos três dicas principais. Confere só:

1 – Use a literatura infantil

Capaz de apresentar assuntos e temas complexos de uma maneira leve e lúdica, a literatura infantil é uma poderosa ferramenta na educação das crianças. Por isso, ela é uma grande aliada quando falamos em ensinar os pequenos a respeitar as diferenças. Por meio das histórias encontradas nos livros, as crianças conseguem vivenciar mundos e contextos diferentes dos seus, compreendendo e assimilando melhor as diferenças que existem entre as pessoas, sejam elas culturais, sejam raciais, físicas, de gênero ou de classe. Além disso, quando elas se identificam, independente do motivo, com um personagem ou uma situação da narrativa, acabam se sentindo representadas e exercitam o autoconhecimento, conseguindo verbalizar e expressar melhor seus sentimentos e conflitos. Dessa forma, a literatura também amplia o repertório cultural e as habilidades de comunicação dos alunos.

2 – Faça dinâmicas de integração

Brincadeiras e dinâmicas são ótimos meios para promover a interação entre as crianças em sala de aula. Isso porque, durante esses momentos, os pequenos têm contato próximo com os colegas, podendo ouvir o que eles pensam, algo que permite que aprendam a lidar com as diferenças e estimula o convívio sem discriminações. Uma sugestão bem prática é elaborar uma caixinha com perguntas simples que tenham mais de uma resposta (“você prefere jogar bola ou pular corda?”, por exemplo) para que os alunos sorteiem e questionem uns aos outros. Assim, eles verão que mesmo tendo opiniões e gostando de coisas diferentes, não significa que um esteja certo e o outro errado e que todos merecem ser respeitados. Outra ideia é distribuir balões coloridos entre os alunos e pedir a eles que encham. No final, cada um deve colocar seu balão no chão, fazendo uma pilha com os dos colegas. Depois disso, estimule os pequenos a observar o resultado, mostrando a eles que mesmo que os balões apresentem tamanhos, formatos e cores distintas, todos continuam a ser o mesmo: balões.

3 – Fortaleça a autoestima dos alunos

Para que esse trabalho de incentivo ao respeito às diferenças funcione efetivamente, também é fundamental trabalhar a autoestima das crianças. Afinal, elas precisam entender que merecem respeito não importa sua cor, gênero ou classe social e que essas características não definem quem elas são ou o que são ou não capazes de ser/fazer. Só assim elas crescerão empoderadas  para enfrentar qualquer preconceito e promover a inclusão e a tolerância. Uma ótima forma para trabalhar isso é usar a representatividade, ou seja, mostrar às crianças bons exemplos de pessoas que sejam símbolo por conta de suas trajetórias na busca pelo reconhecimento de seus direitos, pela igualdade e por um mundo mais tolerante. Em uma aula de história, por exemplo, apresente e explique para elas quem é Malala ou quem foi Nelson Mandela.